fbpx

Taxa fixa ou variável – qual a mais vantajosa no crédito à habitação?

A resposta a esta questão é muito subjetiva. Ambas as taxas têm as suas vantagens e desvantagens, por isso a escolha de uma em detrimento de outra deve ser feita consoante as necessidades do cliente e as especificidades de cada caso.

Por um lado, a taxa de juro fixa permanece igual durante um determinado período de tempo ou durante todo o tempo de vida do empréstimo, sendo contratada entre o cliente e o banco. Por outro lado, a taxa variável vai oscilando consoante as flutuações das taxas de juro de referência no mercado, sendo indexada à Euribor.

À primeira vista é desde logo possível vislumbrar as vantagens de ambas as situações. Como a taxa variável se adapta ao contexto económico, subindo em períodos de crise financeira e descendo em períodos de prosperidade, ela pode ou não ser favorável para o cliente final do crédito. A sua desvantagem é, sem dúvida, a imprevisibilidade do montante a pagar, já que não sabe quais serão as revisões feitas sobre a taxa ao longo dos anos. A taxa fixa, por sua vez, é mais elevada, contudo tem a vantagem de não existirem imprevistos, sendo que, se, por exemplo, a Euribor aumentar bastante, a taxa fixa definida anteriormente, pode tornar-se mais vantajosa.

Por norma, os bancos costumam propor aos seus clientes uma taxa fixa no crédito à habitação, por um período de 5 anos, justificando a recomendação com a previsão de subida da Euribor nos próximos anos. A taxa fixa é alterada conforme o período da Euribor escolhido (podendo ser de 1, 6 ou 12 meses), sendo que ela é mais rentável normalmente a longo prazo.

Contudo, de acordo com as análises mais recentes da DECO, a taxa fixa não é, atualmente, a mais rentável. Prevê-se, de facto, uma subida gradual das taxas de juro nos próximos anos, mas com as taxas fixas praticadas neste momento, as taxas variáveis continuam a ficar mais económicas. Nos últimos anos, a Euribor tem rondado uma média de 2%, ao passo que a taxa fixa oferecida pelos bancos se tem encontrado à volta dos 3%, sendo que optar pela taxa fixa não tem compensado.

Desde há cerca de 3 anos que a Euribor tem apresentado valores negativos, fazendo com que quem escolheu taxas variáveis esteja a pagar prestações mensais mais baixas. À partida, poderíamos considerar que a taxa variável é, regra geral, a melhor opção. Contudo, a taxa fixa oferece sempre mais segurança, já que lhe dá a certeza de que o valor da prestação mensal não vai sofrer alterações. No fundo, o que paga a mais pela taxa fixa acaba por ser um seguro que lhe garante que não fica sujeito às variações do mercado. A decisão final deve ser tomada em consciência, tendo em conta as vantagens e as desvantagens de cada uma das taxas e também a sua situação económica.

Artigos Relacionados

Sobre
Prémios & Distinções

Vencedores Prémio Cinco Estrelas, pelo 2º ano consecutivo

Transferência de Crédito Habitação
Sobre
Crédito Habitação, Dicas financeiras

Transferência de Crédito Habitação: Poupe todos os meses!

Novas medidas habitação Jovens
Sobre
Crédito Habitação, Dicas financeiras

Novas Medidas de Habitação para Jovens

BCE Desce taxas de Juro
Sobre
Crédito Habitação

BCE reduz taxa de juro na Zona Euro: como isso afeta o meu Crédito Habitação?

Fale com a Especialista

Crédito
De quanto preciso?
Prazo?
meses